Pintura com grafite no prédio tombado da antiga prefeitua é alvo de contestação em Joinville

Grupo de grafiteiros fez intervenção artística para o Encontro das Ruas, antecedendo programação do Festival de Dança

Por João Batista

Desde o sábado, dia 13, a fachada do prédio da antiga prefeitura, na esquina das ruas Max Colin e João Colin, no América, vem exibindo os desenhos de grafite que compõem uma exposição conceitualcoordenada por Binho Ribeiro, um dos pioneiros do street art no Brasil e na América Latina, com participação de grafiteiros convidados. A intervenção artística, idealizada pelo Instituto Festival de Dança, é parte do Encontro das Ruas, que antecede a abertura do Festival de Dança, mas gerou dúvidas e contestações.

16-07-2013-23-04-45-copia-de-predio-antiga-prefeitura-by-car

Grafiteiros foram convidados a pintar as paredes externas da antiga Prefeitura, que está abandonada.

A arquiteta e pesquisadora de patrimônio cultural, Rosana Barreto Martins, disse que ficou perplexa ao ver o imóvel, que é tombado como patrimônio histórico pela Fundação Cultural de Joinville, recebendo a pintura. Ela aponta que houve descumprimento de portaria do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) que trata da proteção de bens tombados. A lei proíbe a fixação de placas e outros materiais que impeçam a visualização do imóvel. “Patrimônio não é mural. É um bem a ser protegido e enaltecido pela sua história no espaço em que está inserido”, comentou.

Rosana ainda considerou que o poder público deveria dar o exemplo dos cuidados necessários sobre um bem tombado. “Esse ato mostra o reflexo do descaso, omissão e irresponsabilidade para com o patrimônio cultural de Joinville”, afirmou, ressaltando que não é contra a arte grafite e, sim, contra o local onde foi autorizada a aplicação. O diretor executivo da Fundação Cultural de Joinville, Joel Gehlen, defendeu que a intervenção foi aprovada pelo órgão e autorizada pela Comphaan (Comissão do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Natural de Joinville).

De acordo com ele, não há ilegalidade na intervenção e o grafite, por ser uma pintura temporária e facilmente removível, não agride o patrimônio. “A sujeira que tinha externamente é muito mais danosa que a intervenção”, considerou, destacando que o objetivo foi exatamente chamar a atenção para a situação do prédio, que aguarda uma destinação definitiva. Gehlen ressaltou que também existe uma percepção errônea da arte grafite, muitas vezes confundida com pichação. “Normalmente se tem uma resistência à técnica da grafitagem. Os motivos (desenhos) não são voltados às chamadas belas artes, mas trazem temas de contestação e reflexão”, argumentou. Na manhã desta quarta-feira (17), dia de abertura do Festival de Dança, o curador e os grafiteiros do projeto conversam sobre a exposição no Centreventos, durante entrevista coletiva.

16-07-2013-23-05-17-copia-de-predio-antiga-prefeitura-by-car

A emblemática torre do prédio que fica na esquina das ruas Max Colin e João Colin ganha uma imagem inusitada.

Postado originalmente em: Pintura com grafite no prédio tombado da antiga prefeitura é alvo de contestação em Joinville – Notícias do Dia – 17/07/2014

 

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s